Inscreva-se no Feed do Pensar Eco e receba os posts por email!

www.pensareco.com

terça-feira, 24 de março de 2015

Pacto para proteger as nascentes foi assinado por Curitiba e por outros municípios

O projeto visa conservar e proteger as nascentes, principalmente urbanas.

Curitiba e outros dez municípios assinam pacto para proteger nascentes




A prefeitura de Curitiba e de mais dez municípios vizinhos assinaram o Pacto pelas Nascentes de Água da Região Metropolitana de Curitiba. O compromisso foi firmado durante o Fórum de Secretários de Meio Ambiente da Região Metropolitana, realizado no Parque Guairacá, no bairro Fazendinha. 

A nova proposta tem a intenção de reforçar a necessidade de proteção das nascentes, principalmente as localizadas em área urbana. Através do pacto, o município participante se compromete em diagnosticar, classificar, preservar, conservar e valorizar as nascentes, principalmente as localizadas em área urbana, e ainda ensinar e educar a sociedade sobre a importância da conservação da natureza.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Renato Lima, salientou durante o evento a necessidade de se fazer uma ação conjunta entre Curitiba e os municípios da região metropolitana. “Nós entendemos que sozinhos não conseguiremos, temos que trabalhar com o somatório de forças e parcerias para que cada vez mais a gente consiga preservar as nossas nascentes e, consequentemente, a vida”, afirmou.

Os Municípios participantes e que assinaram o pacto são: Araucária, Campo Magro, Cerro Azul, Colombo, Contenda, Curitiba, Doutor Ulysses, Fazenda Rio Grande, Tijucas do Sul e Itaperuçu.

O secretário municipal de Meio Ambiente de Campo Magro, Alvir Jacob, conta que há quatro anos o município, que tem 100% do seu território como área de proteção, vem identificando e georreferenciando suas nascentes – 380 já foram identificadas. O próximo passo será uma homenagem aos proprietários de terra onde se localizam as nascentes, por mantê-las preservadas em prol de toda a comunidade.

O pacto é uma medida excelente, porque aquela realidade de falta d’água chegou, é hoje. O pacto faz os municípios se lembrarem de sua responsabilidade e se comprometerem, conforme sua capacidade, na preservação dos recursos hídricos”, disse Jacob.
(Prefeitura de Curitiba)

Fonte: Ciclo Vivo

Lançamento do “Manual de Sobrevivência para a Crise”- Aliança pela Água

Publicação ensina população a encarar cortes no abastecimento de água, além de dicas práticas de reuso e economia
Para marcar o Dia Mundial da Água, celebrado em meio à pior crise hídrica da história do Estado de São Paulo, a Aliança pela Água disponibiliza, a partir de hoje em seu site www.aguasp.com.br, o “Água: Manual de Sobrevivência para a Crise”. A Aliança pela Água é uma rede de quase 50 entidades, entre ONGs, coletivos e movimentos sociais que desde outubro monitora a resposta do governo e propõe soluções à crise hídrica.
O livreto ilustrado foi produzido de forma colaborativa pelos vários grupos e especialistas que compõem a Aliança e, traz, em linguagem simples, dicas práticas de economia de água no dia-a-dia, como reutilizar água com segurança e como sobreviver se a torneira secar de fato. 
Nosso público-alvo são as populações mais carentes, que geralmente não têm caixa-d’água e têm sido as mais afetadas pelos cortes no fornecimento resultantes da redução na pressão da rede de distribuição da Sabesp”, explica a jornalista Claudia Visoni, que coordenou a redação do Manual. “Mas as dicas servem para todo mundo. Procuramos compilar soluções caseiras, baratas e fáceis de fazer”.
A publicação tem 7 capítulos, que respondem a perguntas como por que está faltando água e como preparar-se para a emergência, além de detalhar práticas de economia máxima, estratégias para o momento de colapso, orientações de saúde e informações sobre fontes alternativas de água. 
O manual funciona de forma coordenada à outros materiais e aplicativos que já existem, como o Cadê a Água?, desenvolvido pelo Instituto Socioambiental (ISA) em apoio à Aliança, que permite que as pessoas denunciem a falta d'água em suas casas, ajudando a mapear e comunicar a dimensão da crise.
Nos próximos meses, o “Água: Manual de Sobrevivência para a Crise” será lançado em versão impressa e em forma de app para celulares e tablets.

Fundação SOS Mata Atlântica divulga qualidade da água em rios brasileiros

QUALIDADE DA ÁGUA

Fundação divulga qualidade da água em 111 rios do país 

Um levantamento com a medição da qualidade da água em 111 rios, córregos e lagos de 5 estados brasileiros e o Distrito Federal – o mais amplo até hoje coordenado pela Fundação SOS Mata Atlântica – revela que 23,3% apresentam qualidade ruim ou péssima. Os dados, divulgados na semana em que se celebra o Dia da Água (22 de março), foram coletados entre março de 2014 e fevereiro de 2015, em 301 pontos de coleta distribuídos em 45 municípios.  A análise inclui o monitoramento realizado em 25 rios da cidade de São Paulo e 12 da cidade do Rio de Janeiro. A situação é preocupante, visto que a poluição diminui ainda mais a oferta de água para consumo da população.
A lista completa de rios e pontos avaliados está disponível no link.
Dos resultados medidos:
  •  186 pontos (61,8%) apresentaram qualidade da água considerada regular;
  •     65 (21,6%) foram classificados como ruins;
  •      5 (1,7%) apresentaram situação péssima
  • Apenas 45 (15%) dos rios e mananciais mostraram boa qualidade – aqueles localizados em áreas protegidas e que contam com matas ciliares preservadas. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.

No Estado de São Paulo, dos 117 pontos monitorados, 5 (4,3%) registraram qualidade de água boa; 61 (52,1%) foram avaliados com qualidade regular, enquanto que 46 (39,3%) estão em situação ruim e 5 (4,3%) péssima. Já entre os 175 pontos analisados nos municípios do Rio de Janeiro, 39 apresentaram água boa (22,3%), a maioria (120 pontos) está em situação regular (68,6%), e 16 tiveram índice ruim (9,1%).
Na cidade do Rio de Janeiro, os indicadores aferidos revelam uma piora na qualidade da água. Dos 15 pontos em que a coleta foi realizada na área urbana, somente 5 (33,3%) apresentaram qualidade regular e os outros 10 pontos (66,7%) registraram qualidade ruim. Em 2014, 9 pontos tinham qualidade regular (60%) e 6 ruim (40%). Nenhum dos pontos analisados apresentou qualidade boa ou ótima.
“Esses indicadores revelam a precária condição ambiental dos rios urbanos monitorados e, somados aos impactos da seca, reforçam a necessidade urgente de investimentos em saneamento básico. A falta da água na região sudeste é agravada pela indisponibilidade decorrente da poluição e não apenas da falta de chuvas. Rios enquadrados nos índices ruim e péssimo não podem ser utilizados para abastecimento humano e produção de alimentos, diminuindo bastante a oferta de água”, alerta Malu Ribeiro, coordenadora da Rede das Águas da Fundação SOS Mata Atlântica.
Outros quatros estados tiveram rios e córregos analisados neste levantamento. Em Minas Gerais, o rio Jequitinhonha, na altura do município de Almenara, apresentou situação regular. Já o rio Mutum, na cidade de Mutum, e o córrego São José, em Bicas, estão em situação ruim. No Rio Grande do Sul, foram analisados a Lagoa do Peixe (qualidade boa), Rio Tramandaí (regular) e Lago Guaíba, na altura da Barra do Ribeiro (ruim). Em Brasília, a análise de dois pontos do Córrego do Urubu apresentou qualidade regular. Já em Santa Catarina, o Rio Mãe Luiza, na cidade de Forquilhinha, está em situação regular.
Comparativo 2014-2015
Na comparação com os pontos coletados no levantamento anterior, realizado pela SOS Mata Atlântica no período de março de 2013 a fevereiro de 2014, a cidade do Rio de Janeiro (veja abaixo), que teve 15 pontos analisados no último levantamento, apresentou aumento de amostras com qualidade ruim, de 40% para 66,7%. São Paulo, por outro lado, reduziu de 74,9% para 44,3% o número de pontos de coleta com qualidade ruim ou péssima, apresentando alta de 25% para 55,4% as amostras com qualidade regular ou boa.

Resultados – Cidade do RJ
IQA 2014
IQA 2015
ÓTIMA
0
0,0%
0
0,0%
BOA
0
0,0%
0
0,0%
REGULAR
9
60,0%
5
33,3%
RUIM
6
40,0%
10
66,7%
PÉSSIMA
0
0,0%
0
0,0%
TOTAL
15
100%
15
100%

Resultados – Cidade de SP
IQA 2014
IQA 2015
ÓTIMA
0
0,0%
0
0,0%
BOA
0
0,0%
1
2,7%
REGULAR
9
25,0%
19
52,7%
RUIM
23
63,8%
15
41,6%
PÉSSIMA
4
11,1%
1
2,7%
TOTAL
36
100%
36
100%

Segundo Malu Ribeiro, a seca em São Paulo diminui o escoamento de poluentes para os rios, refletindo na redução de pontos de coleta com qualidade ruim ou péssima: 
“A falta de chuvas na capital paulista teve um impacto positivo na qualidade da água dos córregos e rios urbanos que não receberam a chamada poluição difusa, responsável por cerca de 40% dos poluentes que contaminam os corpos hídricos após as chuvas que lavam as cidades. Com a seca, os pontos monitorados deixaram de receber resíduos sólidos ou lixo, sedimentos com solos contaminados, foligem de veículos e materiais particulados. Embora o volume de água tenha diminuído nesses rios durante os meses prolongados de seca, a coleta e o tratamento de esgotos nessas microbacias de São Paulo contribuíram para que a condição de qualidade da água passasse a ser melhor”.
Nos rios da capital carioca ocorreu o processo inverso, “devido à falta de investimentos em saneamento básico e ao aumento de resíduos sólidos descartados nas margens de rios e de esgotos, que se concentraram nos pontos de coleta dos rios com baixa vazão”, explicou Malu. Segundo a coordenadora, as altas temperaturas na região também favoreceram a formação de algas que consomem o oxigênio da água, provocando aumento no odor e a rápida perda da qualidade, com agravamento da poluição.
Os municípios do Estado de São Paulo também tiveram melhora na qualidade dos rios analisados. Entre os 53 pontos de coleta em rios paulistas que foram analisados nos dois estudos, o percentual de amostras com qualidade regular subiu de 30,2% para 50,9% (veja abaixo).
Resultados – Estado de SP
2014
2015
QUALIDADE
PONTOS
PORCENTAGEM
PONTOS
PORCENTAGEM
ÓTIMA
0
0,0%
0
0,0%
BOA
2
3,8%
5
4,3%
REGULAR
16
30,2%
61
52,1%
RUIM
31
58,5%
46
39,3%
PÉSSIMA
4
7,5%
5
4,3%
TOTAL
53
100%
53
100%

Malu Ribeiro esclarece que, dependendo da qualidade da água, os rios podem ser melhor aproveitados pela população: “os rios em São Paulo que registraram indicadores na faixa regular poderão ter o seu enquadramento, com base na legislação que trata da qualidade da água, fixado em rios de classe 3 e 2, cujas águas podem ser utilizadas para usos múltiplos. É isso que a sociedade espera conseguir conquistar para os rios urbanos: águas saudáveis. Isso ocorreu onde as populações se engajaram na conservação de pequenas faixas ciliares ou áreas verdes, no cuidado com a destinação correta de resíduos sólidos e na cobrança sistemática da coleta e tratamento de esgotos.”
Para a Fundação SOS Mata Atlântica, para enfrentar a crise da água e melhorar a qualidade de vida nas cidades é essencial recuperar os rios urbanos com investimentos e avanços nos índices de tratamento de esgoto, gestão dos resíduos sólidos e recuperação das áreas de preservação permanente. Um exemplo foi encontrado no monitoramento realizado: “o indicador mais surpreendente foi registrado junto a uma nascente no bairro da Pompéia, em São Paulo, que melhorou a qualidade da água para boa após a comunidade ter promovido a recuperação do seu entorno” finaliza Malu.
Metodologia
A coleta para o levantamento, que têm como base a legislação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), é realizada por meio de um kit desenvolvido pelo programa Rede das Águas, da SOS Mata Atlântica, que possibilita uma metodologia para avaliação dos rios a partir de um total de 16 parâmetros, que incluem níveis de oxigênio, fósforo, o PH e aspecto visual. O kit classifica a qualidade das águas em cinco níveis de pontuação: péssimo (de 14 a 20 pontos), ruim (de 21 a 26 pontos), regular (de 27 a 35 pontos), bom (de 36 a 40 pontos) e ótimo (acima de 40 pontos).
Participe – ajude a analisar a água de sua cidade
A coleta em rios, córregos e lagos dos estados com Mata Atlântica é feita por grupos de monitoramento que recebem capacitação e material da Fundação SOS Mata Atlântica, realizam a análise e devolvem os dados para a Fundação.  A iniciativa é aberta à população em geral, que pode participar dos grupos de monitoramento já existentes ou ajudar a criar novos grupos para monitorar rios próximos a escolas, igrejas e outros centros comunitários. Os grupos fazem a medição uma vez por mês e enviam os resultados pela internet. Interessados em participar devem escrever para info@sosma.org.br.
Apoie esta iniciativa e outros projetos da Fundação
Os projetos da SOS Mata Atlântica contam com o apoio de empresas e pessoas espalhadas por todo o país para serem realizados. Você também pode ajudar. Faça uma doação ou seja um filiado!
  (Fundação SOS Mata Atlântica)
Parabéns a toda equipe da Fundação SOS Mata Atlântica pelo belo trabalho desenvolvido!
 Érica Sena